sexta-feira, 1 de março de 2013

Tem vaga no Vaticano

Em seu último discurso antes da renúncia, o papa Bento XVI prometeu aos cardeais “obediência incondicional” ao novo pontífice, a ser escolhido em meados de março. Ele também agradeceu o apoio dos sacerdotes no período em que comandou a Igreja Católica. Bento XVI deixou o cargo ontem. Ele deixou o Vaticano em um helicóptero e seguiu para a residência de verão de Castel Gandolfo, onde passará alguns meses antes de ir à clausura em um convento dentro da cidade-estado. Em comunicado, o decano do Colégio de Cardeais, Angelo Soldano, agradeceu em nome dos sacerdotes pela gratidão demonstrada pelo papa e o exemplo que representou durante seus oito anos de pontificado. Na entrada do evento, Bento XVI foi aplaudido pelos cardeais. Após a saudação, o papa agradeceu o apoio dos sacerdotes durante os últimos oito anos. “Continuarei perto de vocês em oração, especialmente nos próximos dias quando vocês elegerão o novo papa, a quem hoje declaro minha incondicional reverência e obediência.” O pontífice ainda pediu a união da Igreja Católica e o trabalho conjunto “como uma orquestra” para alcançar a concordância e a harmonia. Ele disse que, nos últimos oito anos, houve momentos de “luz radiante” e “algumas nuvens que escureceram o céu”. “Nós tentamos servir a Cristo e sua igreja”, disse. Bento 16 deixou o palácio papal pela última vez por volta das 17h locais (13h em Brasília) e seguiu para a residência de verão do Vaticano, em Castel Gandolfo, a 30 km de Roma. A partir das 20h (16h em Brasília), foi declarada a vacância do cargo, abrindo caminho para o conclave. O símbolo da saída do papa foi o fechamento das portas do palácio papal e a folga da Guarda Suíça, que garante a segurança do pontífice. Quando o helicóptero que levava Bento XVI levantou voo no Vaticano, os sinos das igrejas de Roma foram badalados em homenagem ao pontífice. Na Alemanha, onde nasceu Bento XVI, os 25 milhões de católicos também puderam ouvir os sinos das igrejas do país no momento da renúncia. Outros países optaram por homenagear o pontífice com serviços religiosos. A arquidiocese de São Paulo celebrou missa na Catedral da Sé, oficiada pelo bispo-auxiliar Tarcísio Scaramussa. No Rio de Janeiro, cidade que receberá a próxima Jornada Mundial da Juventude, em julho deste ano, foi celebrada na última sexta-feira uma missa de ação de graças pelos serviços do papa. (das agências de notícias) Principais datas do pontificado de Bento XVI 19 de abril de 2005 O cardeal alemão Joseph Alois Ratzinger, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, 78 anos, eleito papa, sucede João Paulo II. 14 de setembro de 2006 Início de uma polêmica no mundo muçulmano após um discurso ligando o Islã à violência na universidade de Ratisbonne (Alemanha). No dia 17, apresenta suas desculpas aos muçulmanos. 9 de maio de 2007 Vem ao Brasil para dar início à 5ª Conferência Geral do Episcopado Latino-americano e do Caribe. 15 de abril de 2008 Encontro nos Estados Unidos com vítimas de pedofilia. Ele repete este gesto na Austrália, em julho de 2008, no Vaticano, em abril de 2009 e em Malta, em abril de 2010. 28 de março de 2012 Em visita a Cuba, o Papa pede respeito às “liberdades fundamentais” e condena o embargo americano 29 de setembro de 2012 Ex-mordomo do Papa, Paolo Gabriele, é acusado de “roubo agravado” de documentos confidenciais - o escândalo do Vatileaks. Condenado a um ano e meio de prisão, recebeu indulto papal em 22 de dezembro. DILMA ENVIA MENSAGEM DO GOVERNO BRASILEIRO Em mensagem ao papa Bento XVI, a presidente Dilma Rousseff lembrou os "gestos de apreço" ao Brasil e lhe desejou saúde e paz. A mensagem foi divulgada na manhã de ontem pela Presidência no Blog do Planalto. PELO TWITTER, “OBRIGADO POR VOSSO AMOR” "Coloquem Cristo no centro de vossas vidas", afirma a última mensagem do papa Bento XVI postada em seu Twitter. "Obrigado por vosso amor", afirmou ainda o religioso que está recolhido. Informações: http://www.blogdealtaneira.com.br/2013/03/o-adeus-do-papa.html